Posição ideal para dormir existe?

Mas, e quando a pessoa ronca ou tem apneia obstrutiva do sono (AOS), existe uma posição ideal? Quantas vezes já ouvimos as pessoas falarem que para resolver o ronco ou a apneia bastaria dormir de lado? Será mesmo?

É comum o ronco e a apneia obstrutiva do sono piorarem quando deitamos de barriga para cima (supino), mas o fato real é que pouquíssimas pessoas tem o problema resolvido ao deitar de lado.

É correto dizer que todas as pessoas que têm apneia do sono são roncadoras, mas nem todos os roncadores são apneicos. Se pensarmos em como ocorre a apneia do sono, conseguimos entender um pouco melhor este conceito.

A apneia do sono é uma condição clínica na qual obstruções repetitivas da garganta ocorrem durante o sono, gerando apneias (pausas respiratórias de no mínimo 10 segundos) e ou hipopneias recorrentes (quase apneias).

Quando dormimos relaxamos a musculatura da garganta, há a queda da língua e deslocamento posterior da mandíbula obstruindo a garganta e impedindo a passagem do ar (apneia). Com o relaxamento da musculatura da orofaringe durante o sono, podem ocorrer vibrações destas estruturas que a compõe, provocando o ronco.

Com a ação da gravidade, dormir na posição supina (barriga para cima) pode contribuir com uma maior queda da musculatura posteriormente, desencadeando o ronco ou apneia.

Entretanto, a maioria das pessoas não tem o problema resolvido ao mudar de posição. Essas obstruções, ou quase obstruções são extremamente maléficas a nossa saúde, pois para que o indivíduo possa sair da apneia ele precisa despertar para que a musculatura da garganta retome o tônus normal até que o sono reaparece e a garganta volta a fechar.

Este ciclo se repete dezenas a centenas de vezes ao longo da noite. Para cada apneia existe um despertar, o sono profundo e reparador não ocorre, o sono é de má qualidade e a sonolência diurna é grande promovendo graves
implicações para a saúde.

O sono irregular, a queda da oxigenação no sangue e os picos hipertensivos durante as apneias à noite, podem acarretar problemas cardiovasculares como hipertensão arterial (HAS), infarto do miocárdio (IAM), acidente vascular cerebral (AVC), arritmias (FA entre outras), além de causar uma sonolência diurna, fadiga, irritabilidade, dificuldade de concentração, esquecimentos, dores de cabeça, doença do refluxo (RGE), entre outros sintomas.

O diagnóstico de apneia do sono é feito através do exame de Polissonografia (PSG), que avalia detalhadamente o que ocorre durante o sono. O tratamento da AOS depende do grau de acometimento e da causa da apneia, podendo haver várias modalidades terapêuticas concomitantes, como terapias com fonoaudiólogo, cirurgias, medicamentos e o uso do CPAP (Continuou Positive Airways Pressure).

O CPAP é um aparelho de pressão positiva que gera um fluxo de ar na garganta mantendo-a aberta (livre de apneias), através de uma máscara acoplada ao rosto do paciente. Hoje existem uma infinidade de modelos de máscaras e dispositivos com tecnologias de conforto agregadas para melhorar o conforto, a adesão à terapia e
melhorar a qualidade de vida.

Portanto, dormir de lado pode ajudar sim, mas nem sempre resolve o problema. Um médico especialista em sono pode avaliar cada caso indicando o melhor tratamento.

Independente da posição que você decida dormir, é importante prestar atenção ao correto posicionamento, principalmente se for usuário de CPAP. O alinhamento da coluna evita dores musculares, torções e desconforto no dia seguinte. Já para quem usa CPAP, o posicionamento correto da cabeça auxilia no ajuste correto da máscara.

Um travesseiro entre as pernas pode ajudar a posicionar corretamente o quadril alinhado à coluna evitando problemas lombares e um travesseiro adequado apoiando a cabeça alinha o pescoço com o restante do corpo.

Aos usuários de CPAP é importante avaliar o acoplamento correto da máscara para que não haja vazamentos nem incômodos que prejudiquem o sono na posição escolhida. Alguns pacientes podem ter um pouco de dificuldade inicialmente, mas com o ajuste correto do equipamento, máscara e posicionamento, o benefício da terapia é
certo.

Hoje existem travesseiros específicos para este público, com recortes e encaixes ergonômicos para manter a cabeça alinhada e evitar o vazamento de ar pela máscara de CPAP. O travesseiro CPAP Comfort, por exemplo, soma a ciência da ergonomia com a tecnologia do viscoelástico e do gel.

É um dispositivo com ajuste de altura, moldando corretamente o ombro, pescoço e a cabeça, além de possuir recortes especiais que impedem o deslocamento da máscara evitando incômodos pelo contato e vazamentos de ar, além de aumentar consideravelmente a adesão à terapia CPAP pelo conforto proporcionado.

Escolha a sua posição preferida, alinhe sua coluna com o travesseiro CPAP Comfort e durma muito bem.