0800 7770 707

Tudo o que você precisa saber sobre Polissonografia

Sabia que o ronco é um sinal de que seu sono pode não estar adequado?

O ronco é o ruído decorrente da vibração dos tecidos presentes no nariz e na garganta quando o ar inspirado não flui com facilidade durante o sono, período esse, em que a musculatura está relaxada.

Existem diversas causas para o ronco, como flacidez muscular, alterações anatômicas, desvios de septos, pólipos, obstrução nasal, entre outros.

Para solucionar esse problema é preciso inicialmente saber a causa do ronco. Um médico especialista em distúrbios do sono pode realizar uma análise clínica minuciosa para cada caso, indicando o tratamento adequado para cada causa.

Quando o ronco atrapalha a qualidade do seu sono, problemas de saúde, fadiga, dificuldade de raciocínio e cansaço diurno podem aparecer e talvez você esteja sofrendo de apneia obstrutiva do sono (AOS).

Mas cuidado, mesmo que você não ronque, pode ter um distúrbio do sono, como apneia ou insônia. Alterações no ciclo sono x vigília, irritabilidade, sonolência diurna, fadiga, dificuldade de concentração, podem ser alguns dos sinais da presença de algum distúrbio do sono.

Neste caso pode ser que o médico peça um exame de Polissonografia, conhecido como “exame do sono”.

Já ouviu falar em Polissonografia (PSG)?

Este exame é considerado padrão ouro para investigar distúrbios do sono como apneia, ronco, sonambulismo, bruxismo, terror noturno, entre outros, ou seja, é o exame com múltiplas informações minuciosas do sono para um diagnóstico mais acertado.

A PSG é um exame bastante complexo e bastante completo que faz uma avaliação o sono do paciente. Para isso sensores e cintas são presos junto ao corpo do paciente durante uma noite inteira de sono, ou seja, o indivíduo precisa passar a noite dormindo com eles. Estes sensores são capazes de medir a atividade respiratória, muscular e cerebral durante a noite. Outros fatores importantes também são avaliados, como os batimentos cardíacos e a saturação de oxigênio (concentração de oxigênio no sangue) entre muitos outros parâmetros.

Os sensores (ou eletrodos) são fixados de maneira a permitir ao paciente movimentar-se durante o exame, procurando não atrapalhar o sono.

Quando realizado em laboratório, o técnico que avalia o sono fica em uma sala ao lado, monitorando a todo instante o sono do paciente.

O laudo é extenso, contendo várias páginas e consequentemente, várias informações importantes.

No laudo é possível avaliar cada estágio do sono (1, 2, 3 e REM). Não só quanto tempo o paciente ficou em cada estágio, mas também como foi a distribuição desses estágios durante o sono.

Permite também avaliar quanto tempo o paciente dormiu, quanto tempo levou para pegar no sono, quanto tempo levou para chegar ao sono REM, além de dizer se houve despertares durante o sono, quantificá-los e muitas vezes mostrar se houve relação com algum distúrbio respiratório ou movimentação.

Não para por aí, ainda pode-se dizer se houve eventos cardíacos, como arritmias, se houve muita movimentação das pernas, se houveram eventos respiratórios (apneias obstrutivas, apneias centrais, apneias mistas, hipopneias), quantificá-las, apontar um predomínio (se houver) e classificar seu nível (leve, moderado e grave).

A análise do exame deve ser tão minuciosa quanto sua execução, portanto um profissional qualificado deve ser escolhido para fazê-lo.

O exame é realizado sob prescrição médica. A diretriz do tratamento a ser seguido deve ser realizado preferencialmente por um médico especialista em distúrbios do sono (medicina do sono, especialista em sono).

Hoje em dia a PSG comumente feita em laboratório, pode também ser realizada em casa, permitindo um conforto melhor do paciente, já que ele pode permanecer em seu ambiente familiar durante o exame.

 

Sabia que existem alguns tipos diferentes de PSG?

Tipos de PSG:

  • Tipo 1 ou basal: completa e assistida (com auxílio técnico) em laboratório.
  • Tipo 2: completa e não assistida (domiciliar).
  • Tipo 3 ou poligrafia: não dispõe de eletroencefalograma, somente sensores respiratórios.
  • Tipo 4 ou oximetria noturna: dispõe de monitorização da oximetria (concentração de oxigênio e pulso cardíaco).

 

Além disso, existem alguns tipos de monitoramento:

  • PSG basal: exame diagnóstico.
  • PSG com titulação (split night – noite dividida): metade da noite diagnóstica e metade da noite com a simulação de tratamento, com o uso de CPAP/Binível/Aparelho intra-oral (AIO).
  • PSG titulada: exame para titulação de pressão positiva (CPAP/Binível).

 

Cada exame tem suas particularidades e seu médico está apto para solicitá-los de acordo com a sua necessidade.

Melhore a qualidade do seu sono. Consulte um médico e se necessitar, faça um exame de Polissonografia!

A Physical Care possui experiência ampla na realização desse exame, tanto na hospitalidade quanto excelência na realização do exame e disponibilidade do laudo.